O simbolismo do útero, dos ovários e da vagina como fontes de saúde e de criação simbólica de vida

February 10, 2017

Falar do simbolismo do útero, dos ovários e da vagina, e a respetiva ligação com o resgate do sagrado feminino pode soar estranho. É natural, principalmente para a nossa sociedade ocidental, ainda presa a ideias fixas e limitadoras, que se têm perpetuado no nosso inconsciente durante gerações.

 

Como parte integrante dos órgãos pélvicos, estão a vagina, o útero e os ovários. Por estes órgãos vitais na mulher circulam e passam meridianos e canais energéticos potentes e muito importantes na nossa vitalidade física, emocional e energética. Este conceito é amplamente falado no tao, na medicina tradicional chinesa, no tantra, no yoga, e na fisioterapia, ainda que de forma mais convencional e técnica, sob a forma de imensas terminações nervosas e vasculares a circular por estas estruturas. O períneo ou pavimento pélvico, na fisioterapia, é um complexo muscular, ligamentar e nervoso muito importante na continência e na sexualidade. Muitas mulheres sofrem com problemas ginecológicos porque esta musculatura está um pouco esquecida e enfraquecida.

 

Simbolicamente e energeticamente, os ovários, dão origem aos nossos sonhos e projetos, através das sementes que lançamos como desejos profundos do nosso ser.  O útero (ou matriz) é onde se aloja e crescem os nossos sonhos, projetos e criações, para dar frutos. É uma zona muito criativa. Não é por acaso que é considerada a zona de poder criativo da mulher.​

 

O corpo da mulher é a manifestação interna e externa dos seus ritmos orgânicos e emocionais. A mulher é, naturalmente, conectada com os ciclos e ritmos internos, com as luas, com as fases da ovulação, com a menstruação. Com a instauração do patriarcado, muitas mulheres afastaram-se da sua natureza cíclica e sensitiva, e deram lugar à energia excessivamente masculina.

Conheço cada vez mais casos de desarmonias hormonais, endócrinas, do ciclo menstrual, de quistos nos ovários, de endometriose, de cancro nos ovários, no útero, nas mamas, e de infertilidade. Os números não param de aumentar e são tristemente alarmantes.

 

Estes números querem comunicar com imensas mulheres como mensagens para o seu íntimo, de que está bem e é maravilhoso ser conquistadora, triunfante e trabalhadora, mas que não se pode esquecer que o seu núcleo/matriz é feminino, é yin, é emoção, é sensibilidade, é intuição, é alegria, é leveza, é inspiração. É preciso saber descansar e respeitar os níveis de energias, é preciso saber parar para celebrar, é preciso limpar, curar a energia do nosso útero, dos nossos ovários e fazer circular, pelos nossos órgãos, energia vital para que o corpo receba nutrição (além das formas convencionais de obtenção de energia, como a alimentação).

Resgatar o sagrado feminino e curar as feridas do sagrado masculino é imperativo na nossa sociedade.

 

O que é que tens feito por ti? Tens dado à luz os teus sonhos, o que tu realmente queres? Tens parido os projetos que geraste na tua energia, ou tens-te autosabotado num círculo vicioso de abortos sucessivos da tua vontade interna?

 

Vale a pena pensar nisto. Sem drama. Com verdade. Com amor. Com intenção de mudança,

 

para melhor.

 

Até ao próximo post,

 

Flor

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now